Brasil

Detentos fazem rebelião em presídio de Bragança, no Pará

Presos se rebelaram no horário do café da manhã, queimaram colchões, subiram em telhados e chegaram a fazer um detento de refém

Presos do Centro de Recuperação Regional de Bragança, no Pará, fazem rebelião/ Crédito: Divulgação Susipe

 

  • Fabíola Perez, do R7
  • 16/04/2018 - 11H54 (ATUALIZADO EM 16/04/2018 - 12H33)

 

Durante toda a manhã dessa segunda-feira (16), presos fazem uma rebelião no Centro de Recuperação Regional de Bragança (CRRB), no noroeste do Pará.

De acordo a Administração Penitenciária da Susipe (Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado), os detentos se rebelaram por volta das 6h15, durante a entrega do café da manhã. Nesse momento, eles teriam começado a depredar parte das celas do bloco carcerário. Os presos também queimaram colchões e subiram no telhado da unidade A prisional.

Um dos presos das celas em que ficam detidos acusados de crimes sexuais, chamadas de seguro, chegou a ser feito de refém por outros detentos, mas foi liberado. Nenhum agente penitenciário foi tomado como refém.

Segundo a Administração Penitenciária da Susipe, o Grupo Tático Operacional da Polícia Militar está no local e deu início às investigações. Não há confirmação sobre eventuais fugas de presos até o momento.

 

Fugas

A Susipe informou que, por volta das 10h30, a Polícia Militar encerrou as negociações com os detentos, quando ocorreu a invasão tática na unidade priiconal. Segundo o órgão, uma equipe da Companhia de Operações Especiais (COE) da PM decolou em uma aeronave do Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp) da base de Belém, por volta das 09h15, até Bragança para ajudar nas negociações.

De acordo com a Diretoria de Administração Penitenciária da Susipe, os presos se rebelaram por conta da superlotação carcerária e demora das audiências com a Justiça. Atualmente, o CRRB custodia 315 detentos. A capacidade é para 122.

A Susipe confirma a fuga de oito presos na rebelião, outros sete tiveram ferimentos e estão sendo atendidos na unidade prisional por uma equipe do SAMU. Nenhuma morte foi registrada dentro do presídio, mas há a probabilidade de alguns foragidos terem morrido fora da unidade.

 

Crise no sistema penitenciário

No dia 10 de abril, 21 presos e um agente penitenciário morreram durante uma tentativa de fuga do Centro de Recuperação Penitenciária do Pará III, em Santa Izabel, região metropolitana do Pará. A unidade prisional foi construída para oferecer 432 vagas, mas atualmente possui 660 detentos.

Após a tentativa de fuga de detentos do Centro de Recuperação Penitenciário do Pará III, no Complexo Prisional de Santa Izabel, na região metropolitana de Belém, que deixou 22 mortos, uma nova onda de violência deixou 11 homicídios no Pará entre a noite da quinta-feira (12) e a manhã da sexta-feira (13).

 

 

 

Mais de Brasil